Quem és ? : Janeiro 2015

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Vai ...


      
O mapa é a tela dos teus olhos, encaminha te.

C.


Pinga ...



Abre , fecha , roda. 
Direita , esquerda.
Frio , quente.
Pingo a pingo chegas lá . 
Encharca te ...




C.

Accepted ...



Accepted 
Only if we are like rabbits




C.

É nas sombras ...



É nas sombras do quarto
que o semblante muda
É pelas sombras dos meus pensamentos
que o teu toque me pega
É pelas sombras da cama
que vês os meus contornes
É pelas sombras da parede
que eu te toco
É pelas sombras vadias e gélidas
que te sinto
É nos fantoches das sombras
que te encontro
É pelas fodas nas sombras
que me contorço
É pelos jogos de sombras
que vejo a luz.
E o semblante muda
e o teu toque me pega
que me vês os contornes
que te toco
que te sinto
que te encontro
que me contorço
no quarto
nos meus pensamentos
na cama
na parede
nas vadias e gelidas
nos fantoches
nas fodas
nos jogos
É nas sombras...
C.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Olhei ...




Olhei no branco da parede e vi ela enrolada no chão, com os dedos a sangrar.
Cheguei me a perguntar o porque que ela estaria assim, naquele estado intrincado.
Os olhos mal subiam ao topo daquele poço de pedra.
Olhos quase serrados, olhar aflitivo ...
Subitamente vi tudo o que não queria entender.
Haviam buracos nas paredes gélidas daqueles muros.
As suas feridas eram de escape. De quem queria subir a todo o custo.
De quem procurara saída vezes sem conta ...
As suas mãos estavam consumidas pelas investidas de fugas constantes.
Os meus olhos brilharam por afinidade.
Pestanejei levei as minhas mãos ao rosto
E subitamente vi tudo o que não queria entender.
As minhas mãos estavam consumidas...
Ainda hoje se fechar os olhos, sinto o cheiro de pedra humedecida.
Cheiro de terra batida e o sabor constante de sal na minha boca.
Reconheci me , estranhei me, enrolei me e vi me na parede branca.
Quadro pungente o espelho ...



C.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

A casa ...




A casa dos meus sonhos é o meu lar
Perto longe daqui
Pequeno grande ali
No imaginário da minha vida real
Onde cruzei mares e rios para subsistir
Onde debati me com ramos e folhas para conseguir
Onde montei uma porta sem fechadura
Onde só podes bater e ouvir me
Onde não há mais nada e tudo
Onde me escondo e me exponho
Onde tens todas as perguntas e eu as respostas
Fiz com as minhas mãos brancas um caminho
Onde sujei me a escava lo
Onde fiz um X para o encontrares
Onde fiz um atalho para te perderes
Onde é tudo tão fácil e difícil
Onde é tudo ás claras e carregado de enigmas
Quem disse que seria fácil encontrar me ?
Mentiram te dizendo toda a verdade.
Estou aqui e ali
A casa dos meus sonhos é o meu Lar.


C.




domingo, 4 de janeiro de 2015

Solta ...





Solta na ponta dos pés com a dança
Solta nos braços que chamas para dançar
Presa há mola que colocaste nos meus cabelos
Solta nos sonhos e ambições
Solta no prazer e no juízo
Presa há mola que colocaste nos meus cabelos
Solta no pensamento, na gula
Solta na volúpia , na fantasia
Presa há mola que colocaste nos meus cabelos
Solta na fome e sede
Solta na gana e no amor
Presa há mola que colocaste nos meus cabelos
Solta no voto e na atitude
Solta na escolha e nos devaneios
Presa há mola que colocaste nos meus cabelos
Solta na criação e no capricho
Solta na modéstia e na vaidade
Presa tão presa e tão solta tão solta...

C.